Hiperconectividade verde em Barcelona – concurso de projetos investirá 1 milhão de euros para construção de 10 telhados verdes na cidade.

Queremos que a natureza da cidade seja uma verdadeira rede verde, e não um mapa de fragmentos isolados‘ – essa é basicamente a essência do compromisso que Barcelona assumiu com seu Plan del Verde y de la Biodiversidad de Barcelona 2013-2020. Enquanto NY investe em ações pontuais cirúrgicas para barrar o calor extremo com seu índice de vulnerabilidade ao calor, em Barcelona a aposta é na conectividade e re-naturalização para ampliação do seu capital ambiental.

Apesar de não ser a cidade mais verde da Espanha (Madri possui praticamente o dobro de área verde por habitante), de fato Barcelona é formada por um mosaico de espaços naturais, ajardinados, públicos ou privados, que oferecem diversos serviços ecológicos, ambientais, sociais e econômicos.

Serviços ambientais do verde biodiversidade urbana. PlanVerde2020 – Barcelona

O plano catalão se baseia no princípio de que, ao criar conexões entre os diversos espaços verdes da cidade, irá potencializar e multiplicar a quantidade de serviços ambientais obtidos. Neste caso, conectividade ambiental quer dizer promover a continuidade dos espaços verdes, permitindo a mobilidade dos organismos, sem que se interrompam os processos ecológicos e fluxos de água, matéria, fauna, flora, genes, etc.

A infraestrutura ecológica (…) tem uma missão muito importante: facilitar o funcionamento da cidade junto com outras infraestruturas (…)

Biblioteca Zona Nord – Barcelona

O enfoque é parecido com os programas de corredores ambientais para re-conexão de fragmentos florestais, e para construir o design destas conexões, foram identificados os principais elementos (tipologias mais representativas) que compõem o sistema verde da cidade:

  • espaços naturais aberto
  • espaços fluviais
  • litoral
  • bosques
  • parques
  • jardins
  • praças
  • hortas e pomares urbanos
  • rua arborizada
  • lagoas e lagos
  • coberturas verdes
  • muros verdes

Em seguida, foi criada uma série de atributos indicadores (1. de qualidade ecológica, 2. biológica, 3. ambiental, 4. sensorial, 5. capacidade de acolhimento, e 6. interesse cultural) para valorar os serviços que esses espaços oferecem – e isso não é uma tarefa fácil, mas é fundamental para entender como trabalhar com os elementos e espaços que estão disponíveis para criar a conexão verde pretendida. Abaixo, alguns exemplos comparando a valoração dos itens telhados verdes, paredes verdes e hortas:

Valoração telhado verde.
Valoração muro vegetal.
Valoração hortas e pomares.

A qualidade de habitat ou a qualidade ambiental de um bosque urbano é diferente de um parque ou jardim, assim como são diferentes suas capacidades de acolhimento ou de interesse cultural. A partir daí e tomando como base 2 diagnósticos participativos já realizados – um de 2009 e outro de  2010, foram traçadas 2 linhas principais de ações:

  • Corredores Verdes Urbanos, que permitem configurar uma verdadeira rede, uma estrutura ecológica robusta e funcional.
  • Espaços de Oportunidade, de diferentes tipos e dimensões, desde solários desocupados, até coberturas e sacadas, que são possíveis de se identificar em todos os bairros e que tenham as condições necessárias para que sejam re-naturalizados para revitalizar o entorno.

Em Barcelona, cidade densa e de clima mediterrâneo, é oportuno considerar os telhados, lajes e pátios das luzes como um recurso altamente inexplorado. O uso e a reabilitação de coberturas, telhados e pátios de luzes trazem inúmeros benefícios. Socialmente, eles promovem espaços de convivência para vizinhança.

Escola Nostra Senyora de Lurdes – típica ‘azotea’ de Barcelona: as coberturas verdes serão importante ferramenta para melhoria da qualidade ambiental e social nestes espaços.

67% das coberturas de Barcelona são lajes – coberturas planas e geralmente acessíveis.

Do ponto de vista ambiental, aumentam o verde e a biodiversidade, facilitam a redução da demanda de energia –  aumentando assim a resiliência da cidade. Neste sentido, a prefeitura impulsiona diversas ações para promover a melhoria ambiental e social de coberturas verdes: apoio financeiro para a reabilitação e re-naturação de coberturs, documentação e apoio técnico aos cidadãos, revisão dos regulamentos vigentes, financiamento direto ou indireto, material didático em telhados e telhados e um mapa interativo em linha com a geolocalização das capas existentes, entre outras medidas.

Confira o Guia de telhados vivos e coberturas verdes de Barcelona.

Um exemplo prático é o concurso de telhados verdes (Cubiertas Verdes) promovido pelo grupo “Cubiertas Mosaico” (formado por organizações signatárias do Compromiso Ciudadano por la Sostenibilidad 2012-2022, red Barcelona + Sostenible). Este grupo trabalha para levar adiante iniciativas colaborativas para tornar Barcelona uma cidade mais habitável, e o concurso, com inscrições abertas até 13 de novembro de 2017, irá custear a execução de 10 coberturas verdes na cidade, prioritariamente em edifícios residenciais, mas também em outros edifícios com forte impacto paisagístico, ou que possam gerar melhoras de caráter coletivo e social. Quer saber como participar? Confira na página da prefeitura de Barcelona quais os critérios e documentos necessários para apresentação de projetos. Serão pré-selecionadas 50 propostas, que receberão uma primeira ajuda de 1.500 euros para desenvolvimento dos trabalhos técnicos prévios. Destes 50 projetos, serão escolhidos 10 finalistas, receberão até 75% dos custos de estudos técnicos necessários (projetos, taxas, impostos…) e execução, até um limite de 100.000 euros por cobertura. Que tal? Resiliência é isso. Seguir em frente, sempre.

 

Deixe uma resposta